MEL – Associação Movimento Educação Livre

O Ensino doméstico em Portugal: Práticas, percepções e motivações de famílias portuguesas

À semelhança do que se verifica noutros países, durante a última década o número de famílias que optaram pelo ensino doméstico (ED) aumentou significativamente. De acordo com dados do Ministério da Educação, existirão aproximadamente  1000 crianças inscritas nesta modalidade. Com a finalidade de contribuir para a caracterização das práticas do ED em Portugal, promovendo uma compreensão mais realista e informada sobre esta modalidade, a Associação Movimento Educação Livre (MEL), adaptou e traduziu um questionário a partir do original “A Survey About Homeschooling in America”, National Household Education Survey, de 2012. Participaram neste estudo 102 famílias, com crianças em idade escolar e pré-escolar, cujos filhos estão actualmente em ED ou, no caso das crianças em idade pré-escolar, ao cuidado da família, representando aproximadamente 10% da população em ED. 

Apresentamos abaixo os principais resultados, tal como apresentados no XIV Congresso Internacional de Psicologia e Educação (2018) e na International School Choice and Reform Conference (2019). A apresentação destes trabalhos teve também o apoio do ISCTE.

Quem é o principal responsável pelo projecto educativo da criança/jovem?
Quantos dias por semana passa a criança/jovem em actividades tipicamente académicas, ou seja, tarefas que faria se estivesse na escola tradicional (incluir a leitura e a escrita) e quem escolhe as tarefas.
A criança/jovem participa em actividades com outras crianças/jovens em ED? Quantas horas por dia?
Como definiria o vosso “estilo” de ED?
Considere as vossas fontes curriculares ou livros que utilizam para o ED e indique todos os que se aplicam à vossa situação.
Razões para a escolha do Ensino Doméstico.
Quais são os maiores desafios?
Os valores pessoais mais relevantes entre as famílias que participaram.
Os valores pessoais menos relevantes entre as famílias que participaram.